Universo Zumbi – Dia 10

Dia 01/05/2012 – Olá Solidão, vens tu me fazer companhia?

                Olá Depressão! E aí Solidão? Estou com medo de ambas hoje você, querida Deprê, me fez novamente chorar por nada, mas devo admitir que não me bateu como uma machadada não. Por isso sou feliz, pelo fato de só devorar minha alma pelas bordas e não por completo agora, quanta a sua companheira… Ela tem me assustado.

                Para quem não sabe moro em uma cidade “grande” há mais ou menos umas duas horas da minha terra natal em um apartamento alugado que divido com uma colega. Já foi “amiga”, mas a convivência só serviu para nos separar. Hoje ela avisou que está procurando outro lugar para morar e precisou da presença dos meus pais e da mãe dela para ter coragem e falar, meus pensamentos a chamam de criança tendo em vista que sempre tentei discutir os problemas nossos com ela e não com os pais dela. Irritou-me e também me preocupa.

                Preocupo-me com o dinheiro, tendo em vista que não ganho o meu próprio ainda e a parte nas despesas que ela arca aliviam meus pais e com a Solidão… Nunca antes morei sozinha e agora olho para o apartamento de três quartos que dividimos e penso se agüentarei viver aqui só com você solidão. Sei porque quer se mudar… É pelos mesmos motivos que várias vezes eu quis sair e preferi agüentar. Ela não suporta conviver com a minha depressão com os meus valores tão diferentes dos dela, nunca suportou o fato de não conseguir me converter para a crença protestante. Por esse motivo tivemos várias brigas, pessoa de mente pequena que só aceita quem tem a mesma fé.

                E agora temo, temo pelo que sou capaz de fazer comigo mesma estando sozinha, temo o que desconheço e, mais ainda, temo o que conheço! Temo a solidão que me acompanha desde que nasci! Eu que sempre fui pária durante a infância, execrada durante a adolescência e resultando numa jovem adulta que aceita todos desde que a aceitem ao menos parcialmente, que doa a alma a quem lhe estende a mão como se fosse um cão de rua só para não se ver no poço de vidro que a solidão lhe impõe. Socorro! Quero ar, quero calor, quero gente perto de mim! Isso sou só eu sendo carente e ridícula e me deixando levar pelo medo que habita os quartos vazios e salas escuras.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s