Universo Zumbi – Dia 03

Dia 19/04/2012 – Quinta-feira – Uma Análise Mais Profunda da Solidão

                Olá Depressão. Os remédios parecem estar finalmente fazendo algum efeito e as coisas não estão mais tão ruins, apesar de sua companheira (a dona Solidão) estar me fazendo uma visita um tanto quanto rotineira você está mais distante, apenas ligeiramente na borda dos meus dias. Em momentos pequenos como agora há pouco ao atravessar a rua você me fez ter vontade de ficar ali e me deixar atropelar porque, talvez, na morte não exista tanta solidão.

                Lembro que na pesquisas que fiz sobre você caí no blog Suicida Sobrevivente e sua autora dizia que era um E.T. afinal aos olhos dos outros nós somos e muitas vezes aos nossos próprios olhos também. Hoje a solidão se abateu sobre mim como um caminhão tanque e me sinto achatar sobre o seu peso, talvez porque eu acredite que é errado entristecer por estar/ser sozinho é que deteste tanto me sentir assim. Minha casa é tão vazia, divido o apartamento com outra pessoa mas é o mesmo que nada… É tão errado querer alguém comigo? Alguém que me entenda e possa ficar ao meu lado para tentar curar esse sentimento que corrói o meu peito?

Não acredito na criação (é só uma parábola para explicar o surgimento do universo e a grande força que o move), porém se tudo o que duvido for verdade e quando morrer me encontrar com o criador vou ter uma boa conversa com ele sobre o porquê de ter feito a humanidade tão sozinha.

A síntese da minha solidão é o sofá da sala. Ele está sempre vazio e com a capa perfeitamente arrumada enquanto o da casa em que fui criada estava sempre com alguém sentado ou com suas almofadas desarrumadas, vestígios de que há gente com você. Eu tenho um verdadeiro pânico do meu sofá, tanto que só sento nele quando outra pessoa já está sentada, o fato d’eu ficar ali sozinha sentada no sofá não me permite nem ver TV. Queria companhia, por isso penso em adotar um gato.

Na verdade não queria precisar de ninguém, sinto que sou um estorvo, e durante muito tempo apreciei a solidão como uma amiga, uma fonte de força. Hoje ela se vinga devorando-me por dentro, talvez pelo fato de tê-la alimentado por tanto tempo. Isso me preocupa. Como vou viver minha vida, abandonar definitivamente o ninho materno se a digníssima não me abandona?

                Devo, porém, agradecer a medicação por me permitir enxergar, mesmo no poço em que a solidão me coloca, a beleza do céu azul que aparece pela janela e a borboleta amarela e preta que todos os dias dessa semana tem me cumprimentado quando passo pela praça central da cidade. Agradeço as lufadas de vento fresco que me fazem sentir bem. E só. Não estou mais a fim de falar com você agora. Talvez mais tarde.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s